Câmara e Assembleia Municipal de Vagos aprovam Orçamento de mais de 27 milhões de euros para 2022

2021-12-30

Documento foi aprovado pela maioria PSD, com o voto contra dos dois membros do grupo municipal do PS e a abstenção dos membros dos grupos municipais do CDS e do CHEGA.

Câmara e Assembleia Municipal de Vagos aprovam Orçamento de mais de 27 milhões de euros para 2022

Depois de aprovado pela maioria PSD, em reunião de Câmara, com a abstenção da vereadora do CDS-PP, o Orçamento Municipal 2022, o Plano Plurianual de Investimentos e o Plano de Atividades para 2022 foi remetido para votação em Assembleia Municipal.

Este é, segundo o presidente da Câmara Municipal, Silvério Regalado, um documento que assenta em “sete áreas estratégicas que o Município tem vindo a definir”. São eles o Desenvolvimento, Coesão e Apoio Social; Desenvolvimento Económico; Educação e Cultura; Obras e Planeamento; Turismo e Sustentabilidade; Desporto e Juventude e, ainda, a Proximidade com o cidadão.

Na sessão, que decorreu ontem, por videoconferência, o documento acabou por ser aprovado, mais uma vez, pela maioria social-democrata, com o voto contra dos socialistas e a abstenção dos centristas e do CHEGA.

O Orçamento Municipal totaliza em 2022 um montante global de 27.522.070,00€ o que, comparativamente com 2021 reflete um acréscimo de cerca de um milhão de euros.

No que diz respeito ao Plano de Atividades Municipal, ao nível das funções gerais da Câmara Municipal, irá ser mantido o investimento na área da modernização administrativa e da qualificação profissional dos funcionários da Câmara Municipal, para uma cada vez mais rápida e eficaz resposta aos munícipes. Na área da Segurança e Proteção Civil, a Câmara de Vagos prevê continuar com os apoios associados à COVID-19 e com a aquisição de bens e serviços relacionados com a saúde pública. Serão continuados os apoios à Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vagos, ao nível da Proteção Civil e da luta contra incêndios. Nas Funções Sociais está previsto um aumento de 140 mil euros para o investimento nas rúbricas relacionadas com a Educação. No tocante à Cultura, será prosseguido o investimento nos programas de cultura em rede, nomeadamente com a conclusão dos projetos “Os nossos e os vossos pela Cultura”, “Cultura 3x4” e “Em nome do Espírito Santo”. De salientar, também, nesta rubrica, a continuidade do apoio aos clubes e associações desportivas, culturais e recreativas, fundamentais para o desenvolver e cimentar da identidade vaguense.

Já no Plano Plurianual de Investimentos, o Município prevê implementar a Estratégia Local de Habitação, apostar na regeneração urbana através da requalificação da rua da Fonte, na reabilitação do Palacete Visconde de Valdemouro, na construção do Centro Náutico e Piscatório da Praia da Vagueira, na requalificação da Zona Industrial de Vagos, na infraestruturação da parcela B do Parque Empresarial de Soza e na execução das infraestruturas dos restantes polos industriais. Ainda no próximo ano, está previsto o início do investimento relativo ao eixo para a competitividade – ligação da Zona Industrial de Vagos à A17. A construção de pistas cicláveis continuará a fazer parte da estratégia que tem vindo a ser implementada nos últimos anos. Realce, ainda, para o Turismo com a criação de um Museu que retrate a Arte Xávega no concelho de Vagos.

Para o edil vaguense, Silvério Regalado, este é “um Orçamento que se centra nas pessoas, que procura melhorar a sua execução”.

Opinião da Oposição

“Se nós formos ver pela extensa lista que o presidente esteve a desenvolver, [o documento] não se traduziu de um projeto de um mandato. São de vários atrás. Promessas que não foram cumpridas e que estão agora aqui sintetizadas”. Óscar Lopes, CDS-PP

“Estamos perante um documento que não tem sido credível, no sentido em que todos os níveis de execução do passado provam que os números do Orçamento que têm sido apresentados são empolados mesmo face à sua expectativa inicial o que depois se acaba por confirmar na sua execução final. Geralmente, cerca de um terço do Orçamento não é executado, duas em cada três obras previstas não saem do papel e, portanto, temos a certeza que a grande maioria das obras que aqui a Câmara Municipal promete para 2022 não será realizado”. Bruno Julião, PS

“Há pelo menos um ponto que esperemos que venha a ser um ponto positivo, que é a promessa do pontapé de saída na ligação da A17 à ZIV, que é defendida por todos os partidos que estão representados na Assembleia. Vamos ver se isto se confirma em 2022, já é tempo. Já lá vão muitos anos e até hoje ainda nada se viu”. Sidónio Sansana, CHEGA

 

 

- Publicidade -

- Publicidade -

 

- Publicidade -

 

 

- Publicidade -